Vão-lhe tratar da saúde...

 

Um dos próximos acontecimentos a seguir com interesse nos EUA é a decisão do Supremo Tribunal sobre o Obamacare - deve estar para sair ainda em Junho.

É relevante por vários motivos: o primeiro, porque o assunto da saúde, em si, tem entidade; segundo, porque politicamente é o maior projecto de Obama, e espera-o uma vitória importante ou uma derrota amarga; terceiro, porque a partir deste evento se vai delinear uma parte importante dos confrontos na campanha para as presidenciais que se avizinham.

Se Obama perde esta decisão, os Republicanos ganham força (e logo com um assunto que os une), mas também serão obrigados a elaborar melhor qual é a sua alternativa para a saúde.

Por outro lado, vê-los a ganhar no Supremo, com a força que já têm no Senado e no Congresso, pode levar muitos democratas preguiçosos a sair de casa no dia das eleições para garantir que não ficam também com a Presidência. E nos EUA há muita abstenção - conjunturas que acordem abstencionistas de um dos lados podem ser bombas nas eleições.

Dizem os entendidos que vai sair chumbo, mas que não é pacífico saber que parte da complexa lei de Obama é para ser declarada inconstitucional - toda, ou só um bocadinho. É que cortar esse "bocadinho" que justifica a inconstitucionalidade é como cortar a cabeça da lei. E o Supremo não deve querer deixar a saúde dos americanos nas mãos de um cadáver...

publicado por Pedro Gonçalves Rodrigues às 12:11 | comentar | partilhar