Lisboa vista do 28 amarelo

 

 

O elétrico 28 faz parte do património da cidade de Lisboa. Seja por serviço de transporte da população que dele necessita, seja por atravessar a Lisboa mais antiga, seja por se ter tornado uma referência turística da nossa cidade. Nasci e cresci em Campo de Ourique e esta carreira como que simboliza a ligação da “minha terra” ao centro da cidade. Fazer o percurso deste elétrico é um enriquecimento sobre a história da cidade de Lisboa; não apenas a de tempos remotos mas também a mais recente pois à medida que fazemos este percurso vamos conhecendo muitos desafios e problemas que hoje se colocam. Em jeito de homenagem ao 28, vou tentar, ao longo dos próximos post sobre este tema específico, mostrar o seu percurso com os meus comentários e impressões. Vou recorrer ao trabalho de vários olisipógrafos e, muito especialmente, ao de José Augusto França que tem um obra publicada pela editora Livros Horizonte com o título “28 crónica de um percurso”. Mas não esquecerei as “Peregrinações” de Norberto Araújo que são um excelente estímulo às viagens na minha cidade. A viagem vai iniciar-se nos Prazeres…

publicado por Vasco Mina às 00:10editado por Paulo Marcelo em 11/07/2012 às 12:20 | partilhar