Um Filho Vale Um

 

Esta semana foi lançado o Manifesto “1 Filho Vale1” ao qual aderi: “Quando se olha para o rendimento é justo não esquecer quantas pessoas esse rendimento alimenta e veste. Será que esse rendimento sustenta 2 pessoas? Ou sustentará 3 (pai + mãe + 1 filho), ou 4 (pai+ mãe + 2 filhos), ou 5 (pai + mãe + 3 filhos) ou muitas mais? Justo seria que o rendimento da família fosse avaliado em função do número de pessoas que sustenta. Ou seja, que fosse dividido pelo número de elementos da família! Isso sim, seria justo.”

Desde 2007 que o Saldo Natural da população portuguesa é 0 ou negativo. Tão ou ainda mais impressionantes são os índice de envelhecimento e o índice sintético de fecundidade. Somos uma população que decresce, que envelhece e que tem cada vez menos filhos. As consequências são a vários níveis: demográfico, económico, sustentabilidade do Estado Social, etc. Tudo isto é evidente desde há vários anos mas parece não ser óbvio para o Estado que continua a assobiar para o lado e que maltrata quem se esforça por dar mais vida ao País

 

 

publicado por Vasco Mina às 08:50 | comentar | partilhar