Coisas

É pesaroso, compungido pelo atrevimento, que venho aqui com coisas... maçadoras, desagradáveis, mas elas estão aí e são, certamente, inarredáveis -  enquanto as não arredarmos. Se as arredamos do mundo ou somente da nossa vista, é outra história, que terá a moral que quisermos que ela tenha. A moral não depende dos deuses, nem das pedras, ou das coisas inertes. Depende de nós.

A nossa linguagem, a linguagem que escolhemos, também não é inerte. Nem inerme. Assim, cabe perguntar: "viver ao nível das nossas possibilidades" é isto aqui?...

publicado por Carlos Botelho às 11:31 | comentar | partilhar