Recordar as palavras de um peregrino

Recordo aqui as palavras do Papa João Paulo II na sua despedida da Síria, agora que falta pouco mais de um mês para o seu sucessor visitar a região - o Líbano.

 

DISCURSO DE DESPEDIDA DE SUA SANTIDADE O PAPA JOÃO PAULO II

NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE DAMASCO

 Damasco, 8 de Maio de 2001

 

 

Senhor Presidente

Ilustres Amigos sírios

Senhoras e Senhores

 

1. Ao partir da antiga terra da Síria, estou repleto de gratidão. Dou graças sobretudo ao Deus Omnipotente por me ter oferecido a possibilidade de continuar a minha Peregrinação jubilar de fé, por ocasião dos dois mil anos do nascimento de Jesus Cristo. Dou graças também a Sao Paulo, que tem sido meu companheiro de viagem em cada passo deste caminho.

 

Agradeço de forma especial a Vossa Excelência, Senhor Presidente, bem como aos membros do Governo, que me recebestes com o coração aberto e me estendestes a mão da amizade. O povo sírio é famoso pela sua hospitalidade, e durante estes dias eles fizeram um peregrino sentir-se em casa. Não me esquecerei desta amabilidade.

 

Estou grato à comunidade cristã e, de forma particular, a Suas Beatitudes os Patriarcas e Bispos, pela maneira como me acompanharam ao longo da minha Peregrinação.

 

Conservarei com afecto a memória da minha visita à Mesquita "Omayylde" e a amável hospitalidade que recebi de Sua Excelência o Ministro do Waqf, bem como de sua Eminência o Grão-Mufti e da comunidade muçulmana em geral.

 

Rezo para que a longa tradição síria de relacionamentos harmoniosos entre cristãos e muçulmanos seja duradoura e se torne cada vez mais vigorosa, como um testemunho perante o mundo de que a religião, como adoração do Deus Altíssimo, lança a semente da paz no coração das pessoas. Correspondendo às mais profundas aspirações do espírito humano, ela enriquece e une a familia humana no seu caminho ao longo da história.

 

2. A Síria é uma terra antiga, com um passado glorioso. Todavia, de certa forma a vossa Nação é ainda jovem mas, num período de tempo relativamente breve e através de circunstâncias dificeis, progrediu bastante. A minha oração de peregrino é para que a Síria caminhe com confiança e serenidade rumo a um futuro novo e promissor, e que o vosso Pais entre numa era de bem-estar e tranquilidade para todos os seus habitantes.

 

A Síria constitui uma presença crucial na vida de toda esta região, cujos povos sofreram por demasiado tempo a tragédia da guerra e dos conflitos. Todavia, para que se abra a porta da paz, devem ser resolvidas algumas questões essenciais de verdade e de justiça, de direitos e de responsabilidades. O mundo olha para o Médio Oriente com esperança e preocupação, enquanto aguarda qualquer sinal de diálogo construtivo. Ainda existem muitos obstáculos graves, mas o primeiro passo rumo à paz deve ser a firme convicção de que é possível alcançar uma solução no contexto dos parâmetros da lei internacional e das resoluções da Organização das Nações Unidas. Exorto uma vez mais todos os povos interessados, assim como os seus líderes politicos, a reconhecerem que o confronto fracassou e jamais obterá bom exito. Somente uma paz justa pode criar  as  condições  necessárias  para  o desenvolvimento económico, cultural e social a que os povos desta região tem direito.

 

Obrigado, Senhor Presidente. Obrigado a todos vós:  Shukran!

 

Que o vosso futuro seja repleto das bençãos do Deus Omnipotente. A sua paz esteja sempre convosco:  As-salámû 'aláikum!

publicado por Victor Tavares Morais às 22:31 | comentar | partilhar