Não há guito

Há dias, numa loja de bairro, o empregado, um tipo bem disposto e muito pragmático, perguntava-me o seguinte: “Sabe qual é o problema?” Fiquei sem resposta mas de imediato o Sr. Alberto se adiantou: “Não há guito!” Quase que dei uma gargalhada mas, de regresso a casa, fui pensando neste comentário e, em boa das verdades, o Sr. Alberto sintetizou numa pequena frase o problema que todos enfrentamos – não há dinheiro. Como temos uma língua muito rica e porque não gostamos muito de ser radicais, evitamos a palavra dinheiro; temos até uma certa vergonha em dizer que não o temos e por isso recorremos a expressões mais populares e com humor. Sempre fica melhor dizer “não há guito” do que “não tenho dinheiro”. Também ao nível da linguagem técnica e mais ainda da política se foge ao problema da falta de dinheiro. O que se houve falar é de recursos financeiros necessários, de ajuda financeira, de ajustamento, de alteração dos padrões de consumo, de viver de acordo com o rendimento disponível, etc. Mas em boa das verdades o que não há é guito. Isto a propósito desta notícia em que ficamos a saber que os cinco maiores Bancos concederam, no 1º semestre, menos 10 mil milhões de euros em créditos (4.000 M€ para empresas, 3.500 M€ para as famílias e 2.400 M€ para habitação). Por outro lado também o Banco de Portugal divulgou que há cinco meses consecutivos que decrescem os novos depósitos e, por fim, são já cerca de 700.000 famílias com dificuldade em pagar os empréstimos à banca.

As notícias e outros indicadores multiplicam-se diariamente quer na comunicação social quer nas situações concretas que cada um conhece à sua volta. Estamos cada vez mais a poupar nos nossos quotidianos, comemos cada vez menos fora de casa, levamos cada vez mais a lancheira para o local de trabalho, circulamos cada vez menos de automóvel, fazemos férias cada vez mais em casa, reduzimos cada vez mais as nossas compras aos bens essenciais, etc. O mesmo também acontece com as empresas com cada vez mais dificuldade em cumprir com as obrigações financeiras e, pelos mesmo motivo do financiamento, várias grandes empresas emitiram, recentemente, obrigações que já andarão por 1,3 mil milhões de Euros. Não vale a pena disfarçar – não há guito! Todos sabemos porque temos falta do dinheiro (eliminação de vencimentos na Função Pública, desemprego a aumentar todos os meses, jovens sem solução para o 1º emprego, aumento de vários custos, etc.). Não tenho solução para este problema e, pelos vistos, ao nível da Banca, dos Governos e das entidades internacionais (sejam governos sejam financeiras) também andam às voltas em busca de respostas. Como produzir mais para conseguir mais guito é o desafio. Enquanto isto, apenas constato que vamos (todos) ter de viver com menos guito.

publicado por Vasco Mina às 08:23 | partilhar