Palavras estragadas


 

Este livro belíssimo [ver aqui], tem um título igualmente belo - a saber,  O esplendor da austeridade. Mas é precisamente por isso (vejam a perversão!) que este é atraiçoado pelo linguajar dominante, pela língua de trapos pública que assentou arraial e ganhou direitos de cidade. Uma palavra como 'austeridade', a qualidade do que é austero, encontra-se enodoada, verdadeiramente estragada pelo uso barbarizante dos nossos insuportáveis políticos. Conseguiram, com a sua tacanha visão meramente instrumental da linguagem, adulterar a dignidade semântica (e estética) da palavra. Mas os livros como este não têm culpa disso.

publicado por Carlos Botelho às 01:13 | comentar | partilhar