"Consciência perante as pessoas"


Nestes nossos dias de figurantes políticos medíocres, políticos incapazes de pensar, com o discurso irrisório que vai fazendo caminho, um discurso que teima em passar ao lado do que está aí, convirá escutar esta entrevista de Manuela Ferreira Leite - na íntegra.

Os Portugueses poderão ainda ajuízar sobre a escolha que fizeram em Setembro de 2009. (Escolha que, não o esqueçamos, contou com a ajudinha sonsa do actual locatário da Rua da Imprensa à Estrela...)

 

(Entre outras passagens interessantes, uma denúncia da perversão política constituída numa visão laboratorial da realidade: [a partir do min. 10"Tenho uma dificuldade imensa em achar que se pode governar um país na base dos modelos. Um modelo é sempre um enquadramento teórico útil para que não façamos... para que não tomemos determinadas medidas ao contrário - mas não pode ser a base de uma experiência de um país, porque um país é constituído por pessoas... A ciência económica é uma ciência social e além de ser uma ciência social, não é... uma ciência dogmática. Não funciona por dogmas. (...) Porque a ciência económica não é exacta, é uma ciência social, um país governado na base dos modelos que o ministro invocou mais do que uma vez na sua conferência de imprensa é algo que me dá um enorme desconforto. Não podemos transformar um país num... exercício de experimentação. (...) Se o [ministro] o está a fazer [governar] apenas na base do que lhe dizem os modelos, então, só por acaso é que acerta. Os modelos, normalmente, têm pontos de equilíbrio a partir do cruzamento de curvas. (...) Quando naquele ponto, tudo está em equilíbrio, está a economia toda em explosão. Na prática, não existem nem as curvas, nem o ponto de encontro. Depende do país, da forma como as pessoas reagem, da estrutura produtiva..."
publicado por Carlos Botelho às 00:38 | comentar | partilhar