Da desonestidade

O debate político em Portugal não raramente se alimenta de ódio e, por isso, de vez em quando aparecem merdas como esta, que depois dão origem a outras merdas como esta. Cavaco Silva está tão-somente a dizer o óbvio, recuperando a ideia - exposta brilhantemente por James Madison no federalist paper #51 - da necessidade de vigiar o poder político através das instituições. Sei que perco o meu tempo a explicar isto, que por ser tão claro só não é entendido por deliberada má-fé. É legítimo não gostar politicamente de Cavaco Silva, mas o refúgio no ódio é defesa de quem não tem argumentos a sério. Odeiem Cavaco Silva à vontade, colem o seu retrato na parede e encham-no de setinhas, mas poupem-nos ao espectáculo.
publicado por Alexandre Homem Cristo às 02:13 | comentar | partilhar