O Lobo das Estepes (1)

Reorganização formal do livro

O primeiro post da série que agora inicio resume-se a algumas notas formais sobre o livro e as minhas sugestões para a sua leitura. Hermann Hesse organizou O Lobo das Estepes da seguinte forma:

A) Prefácio (pp. 9-28)
B) O manuscrito de Harry Haller (pp. 31-fim)

Sobre o Prefácio, bastará dizer que se trata de uma narrativa feita pelo sobrinho da dona da casa onde o protagonista do livro, Harry Haller, também chamado o lobo das estepes, aluga um quarto e sala contígua que lhe servem de refúgio durante o período de nove ou dez meses a que corresponde a história; o Prefácio serve de primeira apresentação de algumas facetas do lobo das estepes e começa com a seguinte declaração: “Este livro contém as anotações que nos foram deixadas por um homem a quem chamávamos lobo das estepes, expressão que o próprio frequentemente usou.”

Ao prefácio sucede-se o corpo principal, O manuscrito de Harry Haller. O Manuscrito, ainda subintitulado ‘Só para loucos’, corresponde a uma narrativa desenvolvida pelo próprio Harry Haller acerca da sua vida quotidiana. A dada altura do Manuscrito, ainda na parte inicial, a narrativa na primeira pessoa é interrompida pela rubrica que Hermann Hesse intitula Tratado sobre o lobo das estepes. Como o próprio título denuncia, o Tratado tenta responder à questão “Quem é o lobo das estepes?” Uma vez encerrado o Tratado, Hermann Hesse retorna à narrativa na primeira pessoa de Harry Haller.

A minha sugestão é a de começarmos a leitura do livro com o Prefácio e o Tratado; seguidamente, passaremos ao Manuscrito. Outra sugestão que faço – ao arrepio da organização do próprio Hermann Hesse – é a de acrescentarmos ao Manuscrito, para além do subtítulo ‘Só para loucos’, as rubricas A história de Harry Haller e o Último acto. Por sua vez, sugiro ainda que o Último acto seja separado em dois momentos: uma primeira parte e uma conclusão.

Tudo somado, a minha leitura d’O Lobo das Estepes é arrumada sequencialmente da seguinte forma:

A) Prefácio (título do autor; pp. 9-28)
B) Tratado sobre o lobo das estepes (título do autor; pp. 47-71)
C) O manuscrito de Harry Haller (título do autor)
C1) ‘Só para loucos’ (título do autor; pp. 31-47)
C2) Primeira parte do Último acto (título meu; pp. 179-210)
C3) A história de Harry Haller (título meu; pp. 72-179)
C4) Conclusão do Último acto (título meu; pp. 210-fim)

A numeração de páginas que apresento correspondem à tradução do livro por Sara Seruya, Difel, 3ª ed.
publicado por Nuno Lobo às 10:55 | partilhar