Bombar o medo

Caros amigos,
Desculpem a interrupção.

Mas vim a correr dizer-vos um segredo.

Certo, não é bem um segredo. Não se pode guardar.
Soube por estes dias que anda para aí uma bomba. E desta vez não. Não é o aumento do petróleo, nem dos cereais, nem da catástrofe que abre os jornais. Mas que é uma bomba, lá isso é.

Só para saberem: o Bin Laden é um menino ao lado do que p’raí vai.

A coisa vem pela mão da Assírio e Alvim. E são os Diários da Etty Hillesum, entre 1941 e 1943. Se puderem, não deixem de bombar.
PS - Obrigado ao João Benard da Costa, cuja coluna no Público me chamou a atenção para «o que se estava a passar».
publicado por Filipe Anacoreta Correia às 13:38 | partilhar