Citação tocquevilliana do dia



"DA CORRUPÇÃO E DOS VÍCIOS DOS GOVERNANTES NA DEMOCRACIA; DOS EFEITOS QUE DAÍ RESULTAM PARA A MORALIDADE PÚBLICA
(...)

Se os homens que dirigem as aristocracias procuram por vezes corromper, os chefes das democracias mostram-se eles mesmos corruptos. Nas primeiras ataca-se directamente a moralidade do povo; exerce-se nas outras, sobre a consciência pública, uma acção indirecta que é ainda mais temível.
Nas nações democráticas, sendo os que estão à cabeça do Estado quase sempre alvo de suspeitas infames, dão de algum modo o apoio do governo aos crimes de que os acusam. Apresentam assim exemplos perigosos à virtude que se afirma e fornecem comparações gloriosas ao vício que se esconde.
(...)
O povo não penetrará jamais no labirinto obscuro do espírito de corte; descobrirá sempre com dor a baixeza que se esconde sob a elegância de maneiras, o refinamento do gosto e as graças da linguagem. Mas roubar o tesouro público ou vender por dinheiro os favores do Estado, isso qualquer miserável compreende e pode vangloriar-se de fazer o mesmo, por seu turno.
O que devemos temer, pois, não é tanto a visão da imoralidade dos grandes, mas a da imoralidade que leva à grandeza. Na democracia, os simples cidadãos vêem um homem que saiu das suas fileiras e chega em poucos anos à riqueza e ao poder; esse espectáculo provoca a sua surpresa e o seu ressentimento; interrogam-se como é que alguém que ontem era seu igual exibe hoje o direito de os conduzir. Atribuir a sua ascensão a talentos e virtudes é incómodo, porque seria confessar que eles mesmos são menos virtuosos e menos hábeis. Dão então por principal causa algum dos seus vícios, e muitas vezes têm razão. Opera-se assim uma não sei que odiosa mistura entre as ideias de baixeza e poder, indignidade e sucesso, utilidade e desonra."

Alexis de Tocqueville, De la Démocratie en Amérique (1835)
publicado por Pedro Picoito às 11:55 | comentar | partilhar