Os mortos certos

O Daniel Oliveira denuncia o interrogatório de um iraquiano, Manadel al-Jamadi, torturado até à morte pelas tropas americanas, em 2003, na famigerada prisão de Abu Ghraib.
Nada a acrescentar. A tortura é sempre condenável, venha de onde vier.
Mas é curioso que a fonte da notícia seja o Tempo das Cerejas, o blogue de Vítor Dias.
Não sabem quem é Vítor Dias?
Eu ajudo.
É membro do Comité Central do PCP, aquele partido amigo das grandes democracias de Cuba e da Coreia do Norte, onde de certeza não há tortura.
E é o funcionário que, nos idos de Agosto de 1991, leu o comunicado do seu partido a justificar o golpe de estado dos ultras do PC soviético, esses paladinos dos direitos humanos, contra Gorbachov.
O camarada Estaline bem dizia: um morto é uma tragédia, um milhão de mortos é uma estatística.
Sobretudo se forem os mortos certos.


publicado por Pedro Picoito às 14:26 | partilhar