A Esquizofrenia Política do PS Madeira


É indiscutível que o Arquipélago da Madeira e Alberto João Jardim provocam uma preocupante esquizofrenia no Partido Socialista. Descontando a retórica, há já uns quantos anos Jaime Gama, numa acalorada intervenção no Parlamento, ainda era Cavaco Silva primeiro-ministro, chamou "Bokassa" a Alberto João Jardim. Hoje, à saída de uma audiência com o presidente Cavaco Silva no Funchal, o líder do PS Madeira disse que a terra onde vive e faz política é o "Zimbabwe da Europa", chamando por isso "Mugabe" a João Jardim.
Esquizofrenia à parte, certo e sabido é que o que se passa na Madeira, quanto ao incumprimento de práticas, normas e princípios políticos democráticos mais ou menos básicos por parte do Governo regional, pode ser razão para que muita gente se preocupe, indigne e “intervenha”. Mas também é verdade que a relação do PS e do PS Madeira com o PSD Madeira, e com os sucessivos Governos de Alberto João Jardim, é irresponsável e doentia, sendo por demais óbvio que apenas evoca a real ou suposta “violação” da democracia naquela região autónoma por oportunismo político e não por convicção. Isto significa que, desaparecido Jardim, e com a qualidade da classe política madeirense que por lá se arrasta, tudo deixará de ser como antes. Só que para pior.
publicado por Fernando Martins às 14:16 | comentar | ver comentários (3) | partilhar