Portugal sem progresso no combate à corrupção

 

 

Portugal mantém-se no 32º Lugar do Índice de Percepção da Corrupção (CPI) da Transparency International (TI). Em relação à Europa, Portugal ocupa o 18º lugar. O país continua apenas à frente de Malta, Itália e Grécia e dos países do Leste Europeu.

 

Para Luís de Sousa, presidente da Transparência e Integridade, «Portugal não tem conseguido desmarcar-se da má imagem do funcionamento do seu sector público. A falta de resolução de mega processos que envolvem políticos e homens de negócios também não tem favorecido uma melhoria das percepções externas sobre o combate à corrupção. Tudo isto tem consequências para o clima de negócios do país. Portugal tornou-se menos atractivo para o investimento externo de qualidade e sustentável e mais exposto a investidores sem escrúpulos que procuram ambientes de negócios impregnados de práticas de corrupção, clientelismo e fraca fiscalização, possibilitando a lavagem de dinheiro com proveniência dúvidosa. A actual conjuntura de precariedade que o país está a atravessar vai criar mais oportunidades para este tipo de práticas, quer pela necessidade de cortar em muitos negócios públicos de modo a aumentar a receita do Estado, quer pela necessidade de reduzir a despesa, debilitando os mecanismos de controlo».

 

Este é um tema que está a ser trabalhado pela TIAC ( Associação Transparência Integridade Anti-Corrupção), ponto de contacto da Transparency International em Portugal. No blogue " Às Claras" esta Associação discute o com­bate à cor­rupção e a pro­moção da transparên­cia nas relações entre o Estado e a sociedade civil.  Uma das questões que importa resolver para conseguirmos financiar a nossa economia.

publicado por Joana Alarcão às 11:36 | comentar | ver comentários (2) | partilhar