A visão de Hume

Artigo de Fernando Gabriel no Diário Económico

 

Para quem vive em permanente novidade, a sugestão de que as dificuldades políticas europeias possam ser repetições de crises ocorridas há 250 anos é inimaginável.

 

No entanto, é fácil reconhecer a actualidade das considerações de David Hume sobre os efeitos corrosivos da dívida pública, num ensaio publicado em 1752. Então como hoje, não faltavam "génios" a garantir que o endividamento do Estado era o "motor" do crescimento económico, sugerindo a existência de uma espécie de "efeito multiplicador" das despesas públicas muito antes do "apóstolo" de Cambridge regurgitar o sofisma.

Recomendo a leitura integral do artigo.

publicado por Miguel Noronha às 08:01 | partilhar