Os Outros Guantánamos

Parece ter sido recebido com aplauso generoso e sincero, tanto em Portugal como no estrangeiro, a disponibilidade manifestada pelo Governo de Lisboa para acolher prisioneiros de Guantánamo que não tenham sido acusados (de terrorismo) e não possam regressar aos seus países (presumindo que todos os têm). A atitude das autoridades portuguesas, se for sincera, e apesar dos riscos que pressupõe (políticos, diplomáticos, de segurança interna, entre outros), merece também o meu aplauso. Ainda assim, desafio as autoridades portuguesas, e as autoridades de outros países ou os dirigentes de organizações não governamentais (ONG’s) que elogiaram a intenção lusa, a lançarem uma campanha internacional disponibilizando-se para acolherem presos que se encontrem em situações idênticas às de Guantánamo noutros países quando e onde, manifestamente, não são respeitados os direitos humanos. Na Arábia Saudita, na Síria, passando pela China, Coreia do Norte, Rússia, Iraque ou Paquistão, as possibilidades de intervir, assim haja vontade, são ilimitadas, ainda que com custos políticos muito elevados. É claro que esta minha ideia cai caso se chegue rapidamente à conclusão que para o Governo português, outros Governos ou ONG's, existam violações dos direitos humanos... e violações dos direitos humanos.
publicado por Fernando Martins às 00:36 | comentar | ver comentários (4) | partilhar