Sábado, 14.07.12

The National

 

Sem me preocupar em dar uma visão geral da sua música, queria abordar os The National por um ângulo muito concreto que me fascina neles: cada vez mais os ouço como uma banda feita com voz e bateria e outras coisa à volta. Ora isto não é o mais normal, o normal é as bandas serem voz e guitarra com outras coisas à volta.

 

A voz é de Matt Berninger. É barítono e isso nota-se, dá o tom à banda. Escreve as letras em frases simples, pouco ligadas, pouco interpretáveis, mas intensas e pessoais, perturbadas.

 

Não quero desvalorizar os gémeos das guitarras e o baixista: são excelentes, e são admiráveis também pela classe e subtileza com que cedem o protagonismo. É deles a cola que segura as canções, uns arpejos aqui e uns feedbacks acolá para dramatizar; uns sublinhados, uns toques. Less is more aplicado na perfeição. Quando entram, entram bem, são mesmo bons músicos e por isso lhes fica tão bem admitirem o registo humilde.

 

Mas assim chegamos ao "maestro" Bryan Devendorf, que considero um dos melhores novos bateristas do rock actual. Devendorf é admirável a toda a linha. O seu kit tem um som próprio, simples e equilibrado, sente-se que há cuidado na selecção e afinação de cada peça. A sua abordagem é, como disse, de condução da música e não de mero acompanhamento.

 

Os seus ritmos, li algures, demoram a repetir, mas depois repetem mesmo. Ou seja, não é uma bateria muito livre, não é jazz, o seu virtuosismo não é de solo de bateria contínuo; ele faz padrões em ciclo, mas estes são ricos, levam pequenas nuances em cada volta, para só repetir totalmente mais à frente. Nunca há uma drumline banal nos The National: consigo ouvir os dois últimos albuns seguidos (Boxer e High Violet) só à escuta da bateria, e é um prazer.

 

 

Escute-se como exemplo este Bloodbuzz Ohio. Deliciosa aquela pausa, quebrada pela entrada da bateria, aos 2m 35s: é Bryan Devendorf a tirar-nos o apoio durante uns segundos para depois voltar em força... quando já nos mostrou quem manda na canção...

tags:
publicado por Pedro Gonçalves Rodrigues às 21:41 | comentar | ver comentários (1) | partilhar
Quarta-feira, 30.05.12

Bernhoft

Antigamente os one-man band eram artistas de circo ou de feira, cuja arte consistia no equilibrismo de tocar em simultâneo uma carrada de instrumentos. Qualquer cotovelo dava para mais uma pandeireta, e qualquer tornozelo servia funções múltiplas.

 

Agora com as pedaleiras de loops, o norueguês Jarle Bernhoft faz tudo sozinho, mas não ao mesmo tempo. Vai construindo a música por partes, liga partes, desliga, troca de guitarra, tira a palheta do bolso de trás das calças, e faz harmonias de voz consigo próprio. O batuque é feito nas costas da guitarra ou com a voz, em beat-box. Toca piano, guitarra, canta normal e em falsete. É ele mesmo o baixo e os pratos da bateria. A imagem de marca são os óculos Ray-ban Wayfarer com lentes claras – ouvi dizer que estão na moda.

 

O que é extraordinário é que o homem é mesmo muito bom músico – consegue ser funky e bluesy na guitarra, nos ritmos, tem uma voz de soul excelente e um falsete seguríssimo e nada afectado. Escreve boas músicas. Tudo com alma.

 

Várias almas, às voltas, em repetição.

 

 


Quem gostar, sugiro que siga por aqui: C'mon Talk; esta fantástica versão do hit dos eighties dos Tears for Fears, Shout, e esta Streetlights (excelente aquela entrada do… cavaquinho).

publicado por Pedro Gonçalves Rodrigues às 13:17 | comentar | ver comentários (1) | partilhar
Sábado, 27.08.11

Discos que tocam ao Sábado

tags:
publicado por Paulo Marcelo às 10:28 | comentar | partilhar

Cachimbos

O Cachimbo de Magritte é um blogue de comentário político. Ocasionalmente, trata também de coisas sérias. Sabe que a realidade nem sempre é o que parece. Não tem uma ideologia e desconfia de ideologias. Prefere Burke à burqa e Aron aos arianos. Acredita que Portugal é uma teimosia viável e o 11 de Setembro uma vasta conspiração para Mário Soares aparecer na RTP. Não quer o poder, mas já está por tudo. Fuma-se devagar e, ao contrário do que diz o Estado, não provoca impotência.

pesquisa

 

posts recentes

links

Posts mais comentados

últ. comentários

  • ou podre
  • http://fernandovicenteblog.blogspot.pt/2008/07/si-...
  • O pagamento do IVA só no recibo leva a uma menor a...
  • O ranking tal como existe é um dado absoluto. Um r...
  • Só agora dei com este post, fora do tempo.O MEC af...
  • Do not RIP
  • pois
  • A ASAE não tem excessos que devem ser travados. O ...
  • Concordo. Carlos Botelho foi um exemplo de dignida...
  • ou morriam um milhão deles

tags

arquivos

2014:

 J F M A M J J A S O N D

2013:

 J F M A M J J A S O N D

2012:

 J F M A M J J A S O N D

2011:

 J F M A M J J A S O N D

2010:

 J F M A M J J A S O N D

2009:

 J F M A M J J A S O N D

2008:

 J F M A M J J A S O N D

2007:

 J F M A M J J A S O N D

2006:

 J F M A M J J A S O N D

subscrever feeds